21/3/16

Sporting Clube de Braga : O CAPÍTULO MÁGICO DE UMA HISTÓRIA QUE PODE SER FELIZ



El Sporting de Braga, que acaba de clasificarse para los cuartos de final de la UEFA Europa League, está protagonizando  -otro año más- una excelente temporada. Clasificado cuarto en la Liga portuguesa, tiene plaza ya para jugar la final de Copa de Portugal ante el FC Porto; y aún podría jugar la final de la Copa de la Liga, si elimina al Benfica en el enfrentamiento que tienen pendiente aún por disputar.
Es lógico, pues, que se hayan echado cuentas y repasado la excelente trayectoria del popular equipo del Norte de Portugal, en su andadura de los últimos meses. Con los datos oficiales manejados por el propio SCB, he aquí, en português, un relato que lo dice todo...

O CAPÍTULO MÁGICO 
DE UMA HISTÓRIA 
QUE PODE SER FELIZ

Um quarto lugar consolidado na Liga NOS, a presença assegurada na final Taça de Portugal, uma meia-final da Taça CTT para discutir e o apuramento para os quartos-de-final da Liga Europa consumado. Desde a última paragem competitiva– finais de dezembro – até à presente data, o SC Braga disputou 23 jogos e abriu caminho para uma época que pode roçar a perfeição. A temporada iniciou-se em agosto, mas é em 2016 que os gverreiros começam a passar do desejo à realidade. São quatro provas e o estatuto de único clube português presente em todas as competições. Os objetivos estão intactos, fruto do bom desempenho da equipa de Paulo Fonseca. Foquemo-nos, por momentos, nos 23 desafios desde o Natal à Páscoa.
A história dos números
Dizem os números que o SC Braga conquistou 13 vitórias, sete empates e três derrotas, distribuídos por diferentes provas . Olhando para estes desfechos de forma sucinta, as derrotas surgiram diante de Sporting, Belenenses e Fenerbahçe. Todas fora de casa, até porque em 2016 o SC Braga nunca perdeu no Estádio Municipal de Braga. Dois desaires para o campeonato e um para a Liga Europa, embora remediado na segunda mão dos oitavos. Quanto aos empates nem são carne nem peixe. Não são, de forma nenhuma, o resultado desejado, mas neste caso destacamos três igualdades que valeram três apuramentos. Numa dupla jornada com o Rio Ave, o SC Braga carimbou dois apuramentos. Primeiro, para a meia-final da Taça CTT e depois para a final da Taça de Portugal. Igualmente “saboroso” o 2-2 caseiro frente ao FC Sion. Por último, as vitórias. Neste cenário, 13 não significa ser número do azar. São os triunfos que colocam, por conseguinte, os minhotos no topo dos clubes europeus no que aos objetivos diz respeito. O SC Braga está na luta nas quatro competições e, aqui e agora, fazemos o balanço do desempenho minhoto.
Quarto lugar cada vez mais gverreiro
A campanha do SC Braga no campeonato não sofre qualquer contestação. Os minhotos estão embalados para serem donos e senhores da quarta posição, cavando um fosso de nove pontos para o quinto classificado, o Arouca, e estando a onze de distância do terceiro posto, onde mora o FC Porto. Neste período, nota de destaque para a vitória do SC Braga na receção ao FC Porto (3-1). O SC Braga tem, assim, praticamente garantido um lugar nas provas europeias na próxima temporada.
Final e meia-final em agenda
O percurso do SC Braga na Taça de Portugal e Taça CTT é mais um dos temas de destaque na campanha minhota. Depois da vitória, por 1-0, sobre o Rio Ave na primeira mão das meias-finais da Taça de Portugal, a equipa de Paulo Fonseca foi a Vila do Conde empatar a zero e garantir, desta forma, um lugar no Jamor pelo segundo ano consecutivo. Um momento onde imperou a emoção e que ficou gravado como um dos mais bonitos episódios na história do clube. Foi, também, em Vila do Conde que os gverreiros asseguraram a presença nas meias-finais da Taça CTT. Devido a compromissos internacionais do SC Braga e Benfica, a data do desafio foi adiada não havendo, até ao momento, dia e hora para a partida. A única certeza é que o jogo será disputado no Estádio da Luz. Em caso de resultado positivo, o SC Braga faz o pleno e coloca o seu emblema nas duas principais finais do panorama do futebol nacional.
Aventura europeia mete respeito
O trajeto europeu do SC Braga tem orgulhado a legião e não só. O futebol português vê com bons olhos a aventura bracarense que só em 2016 arrancou duas vitórias, um empate e uma derrota. Resultados à parte, ditou o sorteio que o adversário dos dezasseis avos de final fosse o FC Sion. O SC Braga viajou até à Suíçaonde na primeira mão venceu o desafio (1-2), empurrado pelos mais de 2000 portugueses que apoiaram os bracarenses. A segunda mão terminou com um empate a dois golos, resultado que deixou o emblema minhoto no pote dos oitavos. A bola sorteou o Fenerbahçe e foram muitos os que levaram as mãos à cabeça. A batalha adivinhava-se complicada e pior ficou quando o SC Braga perdeu, em Istambul, na primeira mão (1-0). Muitos davam como terminada a aventura europeia, mas a fibra bracarense sobressaiu em plena batalha. A vitória por 4-1 correu a Europa do futebol e o SC Braga volta a estar nos quartos pela segunda vez na sua história. Em 2011, não só chegou a esta fase como foi mais longe. Tão longe que só parou em Dublin, para defrontar o FC Porto na final da prova. Podemos repetir a façanha? Para já o Shakhtar Donetsk é o adversário. A viagem a Lviv está marcada para dia 14 de abril, embora a primeira mão seja disputada a dia 7 em solo português.
As boas dores de cabeça do míster
Paulo Fonseca já deixou claro que neste SC Braga “não há titulares”. O técnico tem gerido a equipa de forma a dar resposta à exigência da época, sem nunca colocar em causa os objetivos. A resposta dada tem estado mais do que à altura, mas para lá das estratégias estão os executantes. E nesse capítulo, os jogadores têm feito maravilhas. Boas prestações que elevam o nome do SC Braga e deixam a legião em estado de euforia. A luta nas quatro competições está acesa e é por isso é que no Minho há gverreiros. Numa rápida abordagem, destacamos alguns dos que consideramos ser os alicerces de uma tática vitoriosa. Em grande plano tem estado Rafa. O internacional português tem usado a velocidade para deixar as defesas adversárias de rastos, mas, mais do que isso, tem sido um verdadeiro construtor de jogadas para os avançados finalizarem. Tal como Rafa, também Pedro Santos tem estado em evidência. O extremo marcou, aliás, o golo que coloca o SC Braga no Jamor. Mas há mais: nas laterais têm estado dois brasileiros franzinos que, apesar da envergadura física, são de ferro. Jogam e jogam, como se tivessem pilhas. Inesgotáveis e fortes a defender e atacar, Baiano e Marcelo Goiano merecem ser destacados. Da Sérvia, por exemplo, chegou um nome difícil de ser pronunciado, mas que por esta hora todos os adeptos têm na ponta da língua. Stojiljkovic. O avançado é o melhor marcador do SC Braga na presente temporada e passou de desconhecido a ídolo. Torna-se evidente que todos, sem exceção, merecem ser evidenciados. Num plantel onde todos orgulham a camisola que vestem, passamos apenas a um canhoto que chegou com o comboio em andamento: Josué. O número 27 chegou a Braga no mercado de inverno, mas já conquistou a legião. Não acusa a pressão e joga e faz jogar.
Neste período, Paulo Fonseca utilizou um total de 28 jogadores, incluindo Simão e Carlos Fortes, da equipa B.